Notícias

BANCÁRIO DA CAIXA É AGREDIDO EM FILA DA AGÊNCIA

Homem que buscava atendimento sobre o auxílio-emergencial deu um soco no bancário que tentava organizar a fila; empregado da Caixa registrou queixa e Sindicato exigiu emissão de CAT

""

 

Um empregado da Caixa foi agredido com um soco na última quarta-feira (6), enquanto fazia a triagem de clientes em busca do auxílio-emergencial por conta da pandemia de coronavírus. O caso aconteceu em uma agência do Campo Limpo, bairro da zona sul de São Paulo, região com alta procura pelo saque do auxílio.

A agressão aconteceu porque a pessoa exigia ser atendida após o horário de fechamento da agência. O empregado foi à delegacia, que registrou uma notícia crime por conta da pandemia de coronavírus.

Tempo Real: Acompanhe as notícias sobre o Coronavírus nos bancos
Perguntas e Respostas sobre o Coronavírus nos bancos 

De acordo com outro trabalhador da agência, o dia da agressão foi o de maior exposição dos empregados da Caixa a riscos.

“Antes quebraram um notebook que usamos na sala de autoatendimento e agora agridem um empregado. Tudo isso é triste e revoltante, mas continuaremos com o nosso papel de servir os que mais necessitam neste momento tão difícil para o país”, contou. 

A agência, entretanto, não é uma exceção. O cotidiano dos locais de atendimento da Caixa nas regiões periféricas inclui longas filas, formadas ainda de madrugada, e poucos empregados para realizar o atendimento.

“Os empregados ainda receberam ordens para a partir de hoje começar a organizar as filas e fazer a triagem às 7h e trabalham até o último cliente ser atendido, muitas vezes sem almoçar. Nas agências menores são poucos empregados trabalhando, sem estrutura e sem segurança por displicência da Caixa”, criticou a dirigente sindical e empregada Caixa Jackeline Machado.

Coronavírus: direção da Caixa tenta esconder falhas do governo assediando empregados
Caixa: descaso e incompetência do governo recaem em bancários
Bancários cobram providências da Caixa contra caos das filas
​> Sindicato repudia declarações do presidente da Caixa

O Sindicato orientou que fosse emitida uma CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) para o empregado agredido e está cobrando a alocação imediata de seguranças extras nas agências onde ocorrem as maiores filas e aglomerações.

“Quando começaram os protocolos da pandemia de coronavírus, a Caixa anunciou que faria a contratação de seguranças extras para as agências, mas eles não foram para as regiões periféricas, onde há mais necessidade pelo tamanho das filas. É preciso que a direção do banco faça um remanejamento destes seguranças e invista em comunicação com a população, já que muitos dos problemas enfrentados são ocasionados por isso”, finalizou a dirigente.

 

FONTE: SP  BANCÁRIOS

Veja outras notícias

Banco Central tem expectativa mais pessimista para o PIB de 2021

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga no início de março o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2021, na comparação com 2020, ano com os maiores reflexos da pandemia do novo coronavírus na economia. As estimativas, no...

%d blogueiros gostam disto: