Notícias

BANCÁRIOS DEFENDEM NO CONGRESSO O EMPREGO

Trabalhadores exigem inclusão de cláusulas de proteção ao emprego nas medidas tomadas pelo governo contra a crise internacional

Os bancários reuniram-se com o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), relator da Medida Provisória 443, que autoriza o Banco do Brasil e a Caixa Federal a adquirirem instituições financeiras, nesta terça-feira, dia 2, na Câmara dos Deputados, para mostrar ao parlamentar a necessidade de proteção aos empregos no sistema financeiro em meio a crise internacional.

Os trabalhadores defenderam a inclusão de cláusulas de proteção ao emprego nas medidas tomadas pelo governo para injetar crédito na economia e garantir liquidez ao mercado. O assunto também foi discutido com o senador Aloisio Mercadante (PT-SP), que se propôs a convocar uma audiência pública, com a participação de trabalhadores e empresários de vários setores, para debater o emprego na crise.

"Estamos vivendo processos de vendas de carteiras de crédito, fusões entre bancos públicos e entre instituições privadas. Neste cenário, medidas de proteção ao emprego são necessárias. Emprego e renda são fundamentais para manter uma economia saudável. Queremos contrapartidas das empresas que se utilizam de medidas do governo para conter a crise", disse o presidente do Sindicato, Luiz Cláudio Marcolino, presente à reunião.

Demissões

A mudança no recolhimento do compulsório para os bancos é um exemplo do que pode acontecer se não forem exigidas contrapartidas. Os bancos utilizaram os recursos provenientes da medida para adquirir as carteiras dos bancos médios mas, apesar disso, os empregos não foram garantidos.

As demissões nesses bancos, que atuam principalmente na área de Crédito Direto ao Consumidor (CDC), subiram 133% nos últimos três meses na comparação com o mesmo período do ano passado. Entre setembro e novembro foram homologadas 774 demissões no Sindicato. Nos mesmos meses do ano passado foram registradas 332 dispensas. E o número de demissões pode ser ainda maior, já que só são feitos no Sindicato homologações de trabalhadores com mais de um ano de casa.

Estima-se que um universo de 50 bancos médios empregue cerca de 20 mil bancários, dentre os 120 mil que atuam em São Paulo, Osasco e região.

As demissões nos bancos médios já se estenderam para o setor de crédito consignado ou compra de automóveis em bancos maiores. Na semana passada foram registradas a dispensa de 100 trabalhadores no Safra, 20 no Real e outras 60 no HSBC.

5ª Marcha

A proteção ao emprego, assim como a aprovação da convenção 158 da OIT, que inibe dispensas imotivadas, também faz parte das reivindicações que serão defendidas, nesta quarta-feira, na 5ª Marcha dos Trabalhadores a Brasília.

(Fonte: Por Elisângela Cordeiro / Seeb São Paulo)

Veja outras notícias

Bancários vão começar a mobilização para a Campanha Nacional

Organização e agitação pelas entidades e participação da categoria são fundamentais A data-base dos reajustes salariais, vales refeição e alimentação, valores da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e tantos outros direitos previstos na Convenção Coletiva de...

Eleições Cassi: Contraf-CUT apoia chapas 6 e 33

Entidade apoia fortalecimento da representação de associados dentro da caixa de assistência A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) declarou apoio às chapas 6 e 33 nas eleições na Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do...