Notícias

BANCO DO BRASIL LUCRA R$ 3,39 BI NO PRIMEIRO TRIMESTRE

Em 12 meses, banco fechou 3.810 postos de trabalho, 348 agências e 27 postos de atendimento

 
""

 

O Banco do Brasil (BB) obteve lucro líquido ajustado de R$ 3,39 bilhões no primeiro trimestre de 2020, uma queda de 20,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Nesse ínterim, o BB fechou 3.810 postos de trabalho (ao fim de março deste ano, o banco tinha 92.757 funcionários), 348 agências e 27 postos de atendimento bancário.

>Santander lucra R$ 3,8 bilhões

>Bradesco lucra R$ 3,8 bilhões no primeiro trimestre

>Itaú lucra R$ 3,9 bilhões no primeiro trimestre

No período de 12 meses, as receitas com prestação de serviços e tarifas bancárias cresceram 4%, alcançando R$ 7,06 bilhões. Já as despesas com pessoal, incluindo o pagamento da PLR, caíram 1,46% entre março de 2019 e o mesmo mês deste ano, totalizando R$5,67 bilhões. Com isso, a cobertura destas despesas pelas receitas secundárias do BB foi de 124,48% no primeiro trimestre de 2020, um crescimento de 5,55 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado.

“Ao aumentar a arrecadação com tarifas e prestação de serviços, o banco age como um banco privado e prejudica seus clientes. Além disso, não dá a devida contrapartida, pois reduz o número de funcionários e de agências, afetando a qualidade do atendimento”, enfatiza João Fukunaga, diretor executivo do Sindicato e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB). “Mais do que arrecadar, um banco público deveria estar preocupado em atender bem o público, aumentar a bancarização da população e permitir que todos tenham acesso aos serviços bancários”, completa Fukunaga.

Segundo o banco, destacam-se no resultado o aumento de 32,9% das provisões para devedores duvidosos (PDD), especialmente no setor de crédito para pessoa física, e o crescimento da margem financeira bruta de 9,9% entre março de 2019 e o mesmo mês deste ano. Já a rentabilidade (retorno sobre o patrimônio líquido – RPSL) do BB em 12 meses ficou em 10,5%.

Outros números

A carteira de crédito ampliada teve crescimento de 5,81% em doze meses, totalizando R$ 725,13 bilhões, um crescimento de 6,52% em relação ao trimestre anterior. Já o crédito para Pessoa Jurídica teve crescimento de 5,9% em relação ao início de 2019, totalizando R$ 272,95 bilhões, com crescimento significativo nas linhas de crédito para governos (19%) e nas linhas de financiamento para Micro, Pequenas e Médias Empresas (elevação de 12% no período). As linhas de financiamento para grandes empresas encolheram em 3% nos últimos 12 meses.

Já o crédito para Pessoa Física cresceu 9% em doze meses, totalizando R$ 218,4 bilhões. Os destaques foram os empréstimos pessoais (alta de 36%), o crédito renegociado (19,9%) e o crédito consignado (elevação de 16,2%). As linhas de financiamento a veículos caíram 10,5% em doze meses enquanto o cheque especial caiu 7,5% no período.

A carteira do Agronegócio (que representa 55,2% do segmento no país) caiu 1,5% em doze meses, com alta de 1,4% em relação ao fim de 2019, chegando a R$181,88 bilhões. As despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) subiram 32,90% no período, totalizando cerca de R$ 6,60 bilhões. O índice de inadimplência para atrasos superiores a 90 dias foi de 3,17%, um crescimento de 0,55 ponto percentual em relação a março de 2019, mas ainda inferior à inadimplência do Sistema Financeiro Nacional (3,20%).

 

FONTE: SP BANCÁRIOS

Veja outras notícias

Pioneirismo do Santander prejudica funcionários

Mais uma vez o Santander saiu na frente na implantação de mudanças que trazem prejuízos aos trabalhadores do sistema financeiro Desde o dia 4 de setembro, o banco Santander voltou a abrir suas agências das 9h às 10h para atendimento prioritário e das 10h às 16h para o...

Entenda porque votar sim na proposta do Saúde Caixa

Bate-papo ao vivo apresentará a proposta que estará em pauta nas assembleias de quinta e sexta-feira; Contraf-CUT, Fenae, Comando Nacional dos Bancários, sindicatos e federações de suas bases indicam voto sim na proposta construída pelo GT formado pela Caixa com as...

%d blogueiros gostam disto: