Notícias

Cartilhas de combate à violência de gênero consolidam mais um passo na luta de bancárias contra assédio

‘Publicações fazem parte de diversas conquistas obtidas em mais de 20 anos de reivindicações do ramo financeiro, no âmbito da mesa Igualdade de Oportunidade’, avalia movimento sindical bancário

O Comando Nacional dos Bancários e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) se reuniram nesta segunda-feira (25) para o lançamento de duas cartilhas de combate à violência de gênero: “Sexo Frágil – Um manual sobre a masculinidade e suas questões” e “Como conversar com homens sobre violência contra meninas e mulheres”.

“Estamos muito felizes hoje, com o lançamento dessas publicações, que são o fruto de um trabalho de mais de 20 anos, marcado a partir da instauração da mesa de Igualdade de Oportunidades, uma demanda dos trabalhadores nas mesas de negociação com os bancos”, observou Fernanda Lopes, secretária de Mulheres da Contraf-CUT.

“Nós partimos hoje do ponto de uma sociedade com números crescentes de violência contra a mulher. Daí a importância dessas cartilhas, para fazer essa informação chegar, por meio da capilaridade dos bancos e dos sindicatos, a todo o território. O que esperamos para o futuro, é que não precisemos mais de uma cartilha. Mas o lançamento delas é fundamental para alcançar isso lá na frente, para nossas filhas, para todas nós”, completou Fernanda.

“Há um ano, estávamos num encontro como este, falando do lançamento do programa. É muito bom, portanto, estar aqui, agora, com a consolidação de uma das propostas”, avaliou Neiva Ribeiro, presidenta do Sindicato dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de São Paulo, Osasco e Região. “É muito importante esse diálogo com os homens, para alcançar uma sociedade segura para as mulheres. Porque o mundo vive uma disputa de narrativas e estas publicações, construídas dentro de nossa negociação coletiva, são fundamentais para que a narrativa verdadeira seja compreendida e, a partir daí, mudar esse cenário de violência contra a mulher, para além dos bancos, mas em todos os espaços da sociedade”, completou.

“Hoje é um dia muito feliz, porque começamos com a divulgação do 1º Relatório Nacional de Transparência Salarial, em Brasília, que tem como princípio mostrar o retrato real do país, por região, para criar políticas e reduzir as desigualdades remuneratórias entre mulheres e homens. Não dá pra falar em sociedade justa sem igualdade salarial entre gêneros”, lembrou Juvandia Moreira, presidenta da Contraf-CUT. “E, agora, terminamos o dia no lançamento dessas cartilhas, material fundamental para que a sociedade compreenda a necessidade do combate ao assédio contra a mulher, em todos os espaços”, completou.

Juvandia também reforçou a satisfação de ver tantos frutos produzidos nos 20 anos de luta das trabalhadoras bancárias, nas mesas de negociação e debates nas bases dos movimentos sindicais. “Precisamos alterar esse modo de organizar nossa sociedade, patriarcal, que reduz a representatividade de mulheres nos espaços de liderança e poder. A desigualdade salarial, é resultado dessa realidade, que precisa ser reconhecida para ser mudada”, pontuou a presidenta da Contraf-CUT.

Fernanda Lopes reforçou que o movimento sindical também criou, em 2019, o canal Basta! Não irão nos calar!, de suporte jurídico às mulheres vítimas de violência e que, desde então, soma 413 atendimentos. “Temos muito orgulho em falar do Basta!, porque cada mulher atendida é uma vida que podemos estar salvando”, pontuou.

“Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2023, ocorreram 10.655 feminicídios. A cada seis horas uma mulher ou menina é assassinada no Brasil. Por isso, é tão importante esse tipo de iniciativa”, reforçou Amanda Corsino, secretária da Mulher da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Sobre as publicações

Os materiais fazem parte do Programa Nacional de Iniciativas de Prevenção à Violência Contra a Mulher, de conscientização e combate à violência de gênero, lançado em 2023 e conquista das bancárias, na luta contra o assédio no ambiente de trabalho e na sociedade.

A publicação “Sexo Frágil – Um manual sobre a masculinidade e suas questões” foi desenvolvida pelo Instituto Maria da Penha (IMP) e Virtus – Defesa Social, Segurança Pública e Direitos Humanos. Enquanto a cartilha “Como conversar com homens sobre violência contra meninas e mulheres”, escrita por Viviana Santiago, foi desenvolvida pelas organizações Papo de Homem e Instituto PDH.

“Ambos os materiais foram viabilizados pelo movimento sindical, incluindo a Contraf-CUT, além da Febraban”, explicou Fernanda Lopes.

Mulheres do movimento sindical bancário no lançamento das cartilhas “Sexo Frágil – Um manual sobre a masculinidade e suas questões” e “Como conversar com homens sobre violência contra meninas e mulheres”

Veja a seguir, as principais conquistas das bancárias na CCT da categoria:

– 2000: inclusão do tema igualdade de oportunidade nas mesas de negociação;
– 2009: licença-maternidade de 180 dias e extensão de direitos aos casais homoafetivos;
– 2010: inclusão da cláusula que criou o programa de combate ao assédio moral;
– 2016: licença-paternidade de 20 dias;
– 2020: programa de prevenção à violência contra a mulher bancária, no âmbito doméstico e familiar, incluindo a criação de canais de acolhimento, orientação e auxílio às mulheres em situação de violência doméstica e familiar;
– 2022: cláusula que criou o programa de combate ao assédio sexual.

FONTE: CONTRAF

Veja outras notícias

Deputados aprovaram projeto que regulamenta reforma tributária

Luta das entidades de representação dos trabalhadores foi acatada e emenda que zera alíquotas do IBS e da CBS dos planos de previdência complementar fechados e planos de saúde de autogestão foi aprovada A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (10), o...