Notícias

CHINESES GANHAM MERCADO COM PREÇO CADA VEZ MENOR

Diferentes mercadorias "made in China" estão mais baratas porque os preços caíram também em dólar

A crise provocou uma verdadeira liquidação de produtos chineses vendidos no Brasil. Diferentes mercadorias "made in China" estão mais baratas não apenas porque incorporaram a valorização do câmbio, mas porque os preços caíram também em dólar. Entre janeiro e setembro, a moeda americana passou de R$ 2,31 para R$ 1,82, uma queda de 21%. No mesmo período, o preço de muitos produtos convertidos em reais recuou muito mais, segundo estudo da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) feito a pedido do Valor. Há casos em que, desde o começo do ano, os preços dos produtos caíram mais de 50%, como alguns tipos de bolsas de matérias têxteis (-63,3%), de calçados com sola de borracha (-51,7%) e certos brinquedos (-54,7%).

"Numa feira em Xangai na semana passada, um metro de tecido denim era negociado a US$ 1,60. Aqui, de jeito nenhum podemos vender o metro por menos de US$ 2", diz Domingos Mosca, coordenador da área internacional da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit). A situação é mais dramática na comercialização de vestuário. A fabricação nacional custa US$ 34,70 por quilo. As importações chinesas chegam ao Brasil com preços 60,3% mais baratos.

Como reação à combinação da valorização do real com a política agressiva de preços dos chineses, a indústria e o varejo ampliaram a compra de insumos ou bens finais provenientes daquele país. Além dessa estratégia de defesa, há também uma reação mais perigosa para o futuro da produção brasileira: algumas empresas consideram a instalação de fábricas na China, com a consequente redução da atividade local. A catarinense Riffel, produtora de peças para motocicletas e roupas para motociclistas, sediada em Blumenau, já está na China e decidiu ampliar a gama de produtos que fabrica naquele país. Nas contas da empresa, a produção na Ásia sai, pelo menos, 20% mais barata do que no Brasil e uma das razões é o preço do aço.

Valor Online

Veja outras notícias

COE Bradesco debate reestruturação no banco

Movimento sindical está preocupado com os rumos da instituição financeira A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu, na tarde de terça-feira (20), na sede da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), em São...