Notícias

Em nota, Febraban reafirma apoio a manifesto e à democracia

Entidade afirma que objetivo sempre foi “defender a harmonia do ambiente institucional” e diz que, agora, “assunto está encerrado”

Representantes da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, bancos públicos, avaliaram deixar a Febraban

Em nota divulgada na noite desta quinta-feira, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) reafirmou o apoio ao manifesto “A Praça é dos Três Poderes”, iniciativa que provocou forte reação em Brasília. Segundo a nota, a adesão ao manifesto se deu, “desde o início, dentro de um contexto plurifederativo de entidades representativas do setor produtivo e cuja única finalidade é defender a harmonia do ambiente institucional no país”.

No fim de semana, a notícia de que o manifesto, interpretado como uma crítica ao governo, seria divulgado, fez com que representantes da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, bancos públicos, cogitassem deixar a Febraban. A divulgação do documento acabou sendo suspensa.

Na nota desta quinta, a Febraban informa que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) assumiu a coordenação do processo de coleta de assinaturas e se responsabilizou pela publicação do manifesto, conforme e-mail dirigido a mais de 200 entidades no dia 27 de agosto.

“A Febraban considera que o conteúdo do manifesto, aprovado por sua governança própria, foi amplamente divulgado pela mídia do país, cumprindo sua finalidade”, diz a nota. “A Federação manifesta respeito pela opção do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, que se posicionaram contrariamente à assinatura do manifesto.”

“Assunto encerrado”

A Febraban afirma que, agora, “o assunto está encerrado” e que não ficará mais vinculada às decisões da Fiesp, que, “sem consultar as demais entidades, resolveu adiar sem data a publicação do manifesto”.

Por fim, a federação confirmou o apoio ao conteúdo do texto que aprovou, “já de amplo conhecimento público”. E finaliza afirmando que cumpriu, assim, “o seu papel ao se juntar aos demais setores produtivos do Brasil num pedido de equilíbrio e serenidade, elementos basilares de uma democracia sólida e vigorosa”.

FONTE: CORREIO DO POVO

 

Veja outras notícias

Advogada alerta para regras de transição

Após a Reforma da Previdenciária de 2019, que à época retirou direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros(as, quem já estava no mercado de trabalho e perto de se aposentar pode utilizar uma das quatro Regras de Transição para se aposentar, como explica...

Funcef ataca democracia ao descumprir edital de eleição

Decisão temerária e sem transparência para reabrir inscrições de candidatos macula o processo A Fundação dos Economiários Federais (Funcef), que administra os fundos de previdência das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal, sem apresentar qualquer...

COE Santander conquista avanços para os Gerentes Empresas

Processo de negociação sobre Multicanalidade Santander ainda vai continuar para beneficiar todos os trabalhadores da rede de agências A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander saiu da reunião com a direção do banco, nesta quinta-feira (22), com...