Notícias

FENAE MANTÉM POSIÇÃO CONTRÁRIA À VENDA DA CAIXA SEGURIDADE, MESMO COM O ADIAMENTO DO IPO

Objetivo da atual gestão da Caixa era negociar as operações mais rentáveis e encolher a função social da Caixa, de modo a facilitar o caminho para a privatização. "" A Caixa Econômica Federal informou oficialmente nesta quinta-feira (12) o adiamento da oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de sua área de seguros e previdência, uma das partes mais rentáveis do banco e fundamental para impulsionar o desenvolvimento do país, junto com loterias, cartões e ativos. A meta da gestão Pedro Guimarães era arrecadar mais de US$ 10 bilhões.

O anúncio de suspender momentaneamente o processo de abertura de capital da Caixa Seguridade, que representa o quarto maior grupo segurador do Brasil, confirma notícia da Reuters, publicada na última segunda-feira (9). Segundo a agência, o IPO fica suspenso pelo menos até julho de 2020. Essa, aliás, é a segunda interrupção para a venda da subsidiária, sendo que a primeira ocorreu em 2015.
 
Consta ainda que a decisão foi motivada pela atual conjuntura do mercado mundial, com turbulência nas Bolsas de Valores, queda nos preços do petróleo e temores dos investidores sobre a pandemia de coronavírus. O prospecto preliminar do pedido de abertura de capital da Caixa Seguridade tinha sido protocolado em 21 de fevereiro na B3 (Bovespa).
 
Argumentos contra o IPO da Caixa Seguridade
 
 O presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Jair Pedro Ferreira, avalia positivamente o adiamento, mas alerta que a luta continua. "Foi uma importante decisão. Precisamos aproveitar esse tempo para reforçar ainda mais a mobilização em defesa da Caixa 100% pública e contra a venda de áreas estratégicas do banco. O IPO da Caixa Seguridade abre forte precedente para a entrega da própria Caixa à iniciativa privada”, denuncia. Segundo ele, a sociedade deve juntar-se aos empregados do banco na defesa desse grande patrimônio do povo brasileiro.
 
Jair Ferreira considera a suspensão do processo de abertura de capital da Caixa Seguridade um passo necessário, embora a solução ainda esteja longe de ocorrer. "Encaminhamos uma carta ao Presidente da República, na qual solicitamos que os auxiliares do governo federal sejam orientados a não venderem as partes rentáveis da Caixa e de outras empresas públicas”, lembra o presidente da Fenae.
 
O objetivo, segundo ele, é pressionar e mostrar à população que o país, a sociedade e os trabalhadores perdem com o fatiamento do banco que exerce a função de impulsionador do desenvolvimento econômico e social.
 
Rita Serrano, representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, reforça o alerta de Jair Ferreira: o adiamento amplia o prazo para a realização de iniciativas de resistência, que já vêm sendo feitas. "Assim, teremos mais tempo para fazer o debate com a sociedade de como a privatização das operações da Caixa, planejada pelo governo, poderá enfraquecer o banco a médio prazo e tirar a sua capacidade e autonomia para os investimentos públicos”, declara.
 
A representante dos empregados no CA defende que as entidades representativas estabeleçam uma agenda de discussões com setores da sociedade, parlamentares e empregados sobre os prejuízos que essas ações podem causar ao patrimônio público e à soberania nacional. "A consequência disso já pode ser verificada nos preços do gás, da gasolina e na diminuição dos investimentos públicos”, diz.
 
Rita Serrano afirma que esse debate é fundamental porque existiam, até recentemente, as ações do mercado para pressionar o governo pela privatização de estatais. E conclui: "A Caixa, mais do que nunca, tem um papel relevante para ajudar o país a diminuir o impacto da crise mundial, voltando a gerar emprego e apostando no caminho do desenvolvimento, tanto quanto as demais empresas públicas”.  
 
Fonte: Fenae

 

Veja outras notícias

Assembleia aprova projeto que congela investimentos no RS por 10 anos

PLC era uma das últimas exigências para adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou nesta terça-feira (17), por 32 votos a 13, o PLC 48/2022, que altera a lei estadual do teto de gastos para limitar o...

COE e Bradesco negociam retorno ao trabalho presencial

Funcionários devem voltar até o dia 6 de junho; ACT de Teletrabalho passa a valer a partir de segunda-feira (23) A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu com a direção do banco nesta terça-feira (17) para debater o retorno ao trabalho...

%d blogueiros gostam disto: