Notícias

LGBTQIAP+: BB ressalta importância de conscientização entre bancários

Patrocínio à parada LGBTQIAP+ de SP e ações simbólicas entre os funcionários refletem mudança na gestão do banco, mas combate à homofobia precisa incluir reforço dentro do banco nas pautas da mesa de diversidade

A participação do Banco do Brasil em uma série de atividades em comemoração ao mês do orgulho LGBTQIAP+, como o patrocínio à parada de São Paulo, com presença na 22ª Feira Cultural da Diversidade e que inclui a promoção da educação financeira e oferta de cartão de crédito voltado à comunidade, reafirma a mudança de direção da empresa, em respeito à diversidade e combate à homofobia na sociedade. A avaliação é dos membros da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB).

“Ações como essas são extremamente importantes em um país que bate recorde nos níveis de violência contra essa população”, explicou a coordenadora da CEBB, Fernanda Lopes. “Além disso, a participação ativa do BB nas atividades do mês de junho reforça a importância da mesa de diversidade, que existe no campo da negociação entre funcionários e empresa para erradicar a homofobia e permitir igualdade de oportunidade às funcionárias e funcionários dentro do banco”, completou.

Fernanda lembrou ainda que, em gestões anteriores, a direção do BB chegou a retirar do ar propagandas que já estavam sendo veiculadas ao público e que exaltavam a diversidade, como em abril de 2019, quando Bolsonaro vetou uma campanha publicitária simplesmente por ter atores e atrizes negros e jovens tatuados, culminando com a demissão do então diretor de Comunicação e Marketing do BB, Delano Valentim. “Essa mudança pública do BB é fundamental. Assim como é fundamental avanços dentro da empresa em relação à mesa da diversidade”, continuou. Uma reunião sobre o tema, que está incluído nas mesas permanentes de negociações entre funcionários e banco, está prevista para ocorrer no dia 20 de julho, quando também será discutida a pauta de igualdade de oportunidade no BB.

“Como parte da comunidade LGBTQIAP+ eu me sinto muito feliz em ver essa mudança de posicionamento da gestão do banco. Muito importante o BB, enquanto banco público, ser representativo para todos os brasileiros”, avaliou a funcionária do BB e secretária da Juventude da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Bianca Garbelini. “A gente espera que essa mudança também se reflita internamente, com a valorização da diversidade entre os funcionários e programas de combate à LGBTfobia dentro da empresa”, continuou.

Manifestações entre bancários

O banco também realizou uma ação interna que foi a inclusão de um coração com as cores do arco-íris na plataforma online, de acesso aos funcionários. O mesmo tipo de ação o banco tem realizado para outras campanhas, como foi recentemente no mês de março, quando parte da plataforma foi pintada de rosa em homenagem às mulheres ou quando, em novembro, foi pintada de azul, para conscientização sobre a saúde do homem.

Porém, funcionários registraram situações em que colegas manifestaram desagrado ao símbolo que faz referência ao mês do orgulho LGBTQIAP+. “Registramos casos de alguns funcionários que se ofenderam com a mensagem de luta pela igualdade. Um deles chegou a sugerir, então, poder usar uma imagem da suástica nazista, cometendo o absurdo de equiparar um símbolo que representa um movimento extremista e que dizimou milhões de seres humanos com um símbolo que promove o contrário, que é o respeito às diferenças”, pontuou Fernanda Lopes. “Apesar de essas manifestações terem sido pequenas, em relação ao número de funcionários do banco, nos traz um grande alerta: se um funcionário não se constrange de expor esse pensamento em um fórum aberto, entre os colegas, imagine como ele se comporta parente pessoas LGBTQIAP+ no dia a dia do trabalho?”, completou.

Diante dos casos que manifestam homofobia dentro da empresa, a representante da CEBB reforça a importância da mesa de diversidade. “Isso reforça a necessidade de falarmos mais do assunto dentro da empresa, através da formação e que precisamos continuar valorizando a conquista desta pauta como mesa permanente, uma reivindicação histórica do movimento sindical bancário. Todas as pessoas têm o direito de serem tratadas com respeito e da mesma maneira, independente de sexualidade, raça, credo e gênero”, concluiu.

FONTE: CONTRAF

Veja outras notícias