Notícias

Lula anuncia reajuste, valorização do salário mínimo e correção de tabela do IR

Presidente confirmou em pronunciamento que salário mínimo será de R$ 1.320 e reajuste na tabela do imposto de renda. Quem ganha até R$ 2.640 ficará isento de contribuição. Lula estará no ato das centrais em SP

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva estará presente neste 1º de Maio no ato de comemoração do Dia do Trabalhador e da Trabalhadora no Vale do Anhangabaú, centro de São Paulo, promovido pela CUT e demais centrais sindicais, previsto para ter início às 11h. Neste ano o tema do 1º de Maio é “Emprego, Direitos, Renda e Democracia”

A CUT num programa especial transmitirá 1° de maio em todo o país, ao vivo, pelas redes sociais. Clique aqui para saber como assistir.

No ato da CUT e demais centrais sindicais Lula fará o anúncio de três medidas aguardadas pelos trabalhadores e trabalhadoras, a volta da política de valorização do salário mínimo, com reajustes acima da inflação, que o ex-presidente acabou, deixando defasada ainda mais a renda das famílias; o reajuste do mínimo a partir deste mês de maio, subindo de R$ 1.302 para R$ 1.320 e a correção da tabela do imposto de renda.

A tabela do IR estava defasada desde abril de 2015, quando a ex-presidenta Dilma Roussef (PT), fez a correção. Os dois últimos presidentes não mexeram na tabela. O governo Lula espera melhorar a renda das camadas mais pobres, já que quase 14 milhões de brasileiros se beneficiarão dessa correção, que também pode favorecer o consumo e aquecer o mercado interno.

Na noite de domingo (30/4), o presidente fez um pronunciamento à Nação homenageando os trabalhadores e trabalhadoras. Ele lembrou as conquistas que tiveram quando o PT governou o Brasil, com geração recorde de empregos. Salário mínimo crescendo acima da inflação. Direitos trabalhistas garantidos e como tudo piorou nos últimos anos nos governos de Michel Temer e Jair Bolsonaro.

“Tudo piorou nos últimos anos. O emprego sumiu. Os salários perderam poder de compra. A inflação subiu. Os juros dispararam. Direitos conquistados ao longo de décadas foram destruídos de um dia para o outro”, disse Lula.

Segundo ele, poucas vezes na história o povo brasileiro foi tratado com tanto desprezo, e teve tão pouco a comemorar, mas que “Felizmente, esse mau tempo ficou no passado. O Brasil voltou a reconhecer o papel fundamental do povo trabalhador na construção do futuro do Brasil”.

Leia a íntegra do pronunciamento do presidente Lula

Meus amigos e minhas amigas,

Amanhã, primeiro de maio, é dia de homenagear o povo trabalhador do Brasil.

Vocês que trabalham nas fábricas, na construção civil, nos bancos, nas lojas ou nos escritórios. Vocês, trabalhadores de aplicativos. Vocês, microempreendedores. Vocês, que trabalham na lavoura, nas escolas, nos hospitais.

Vocês, jovens, que estão dando os primeiros passos no mundo do trabalho. Vocês, aposentados e pensionistas, que, ao longo de uma vida inteira, ajudaram a construir o Brasil com o fruto do seu suor.

Não importa a profissão ou o local de trabalho. O importante é que vocês são os responsáveis pela geração da riqueza do Brasil.

Vocês se lembram das conquistas que tiveram quando governamos o Brasil. Geração recorde de empregos. Salário mínimo crescendo acima da inflação. Direitos trabalhistas garantidos.

Tudo piorou nos últimos anos. O emprego sumiu. Os salários perderam poder de compra. A inflação subiu. Os juros dispararam. Direitos conquistados ao longo de décadas foram destruídos de um dia para o outro.

Poucas vezes na história o povo brasileiro foi tratado com tanto desprezo, e teve tão pouco a comemorar.

Felizmente, esse mau tempo ficou no passado. O Brasil voltou a reconhecer o papel fundamental do povo trabalhador na construção do futuro do Brasil.

Desde o primeiro dia desse terceiro mandato que vocês me concederam, tenho trabalhado para consertar e reconstruir nosso país.

Recompor as conquistas perdidas pelos trabalhadores e trabalhadoras é prioridade do nosso governo. 

A começar pela valorização do salário mínimo, que há seis anos não tinha aumento real, e vinha perdendo poder de compra dia após dia. Mas já estamos começando a reverter essa perda.

A partir de amanhã, o salário mínimo passa a valer R$ 1.320 reais para trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas. É um aumento pequeno, mas real, acima da inflação, pela primeira vez depois de seis anos. 

Nos próximos dias, encaminharei ao Congresso Nacional um projeto de lei para que esta conquista seja permanente, e o salário mínimo volte a ser reajustado todos os anos acima da inflação, como acontecia quando governamos o Brasil.

E, estejam certos de que, até o fim do meu mandato, ele voltará a ser um grande instrumento de transformação social que foi no passado, quando cresceu 74% acima da inflação.

Foi graças a isso que milhões de brasileiros e brasileiras saíram da extrema pobreza e abriram caminho para uma vida melhor.

É preciso lembrar que a valorização do salário mínimo não é essencial apenas para quem ganha salário mínimo.

Com mais dinheiro em circulação, as vendas do comércio aumentam, a indústria produz mais. A roda da economia volta a girar, e novos empregos são criados.

Quero também anunciar outra medida muito importante. Estamos mudando a faixa de isenção do imposto de renda que, há oito anos estava congelada em R$ 1.903 reais.

A partir de agora, o valor até R$ 2.640 reais por mês não pagará mais nem um centavo de imposto de renda. E, até o final do meu mandato, a isenção valerá para até R$ 5 mil reais por mês.

Meus amigos e minhas amigas. Não haverá reconstrução do Brasil sem a valorização dos trabalhadores e das trabalhadoras.

O Brasil vai voltar a crescer com inclusão social e novos empregos serão criados.

Podem estar certos de que o esforço do seu trabalho ­­será cada vez mais reconhecido e recompensado.

E o Primeiro de Maio, que sempre foi um dia de luta, voltará a ser também um dia de conquistas para o povo trabalhador.

Muito obrigado, e feliz Primeiro de Maio.

Para assistir ao vídeo com o pronunciamento, clique aqui

Fonte: CUT

Veja outras notícias

Funcef: Empregados têm proposta e querem apresentar

Ampla maioria dos participantes rejeita proposta apresentada pela Caixa e pela Funcef e quer participar da construção de uma nova opção que não reduza seus direitos A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), juntamente com a Federação...