Notícias

MAPA DA DIVERSIDADE REVELA VERDADEIRA DIMENSÃO DA DISCRIMINAÇÃO NOS BANCOS

Dirigentes sindicais bancários de todo o país assistiram nesta segunda-feira, 27, à apresentação do resultado completo do Mapa da Diversidade, retrato detalhado sobre a presença de negros, mulheres e pessoas com deficiência nos bancos. A pesquisa foi apresentada pela Febraban na sede da Contraf-CUT.

Na avaliação da Contraf/CUT, os dados coletados pelo Mapa da Diversidade e o plano de ação aprovado pela 11ª Conferência Nacional dos Bancários serão referências nos debates para a construção da campanha salarial de 2009, juntamente com as cláusulas de igualdade de oportunidades que já constam na minuta mínima unificada.

O Mapa da Diversidade é um estudo detalhado sobre a presença de negros, mulheres e pessoas com deficiência no universo do emprego no setor bancário brasileiro, sendo montado a partir de uma pesquisa respondida por 204794 bancários do país inteiro. Foi realizado no período de 9 de abril a 23 de maio do ano passado, integrando o "Programa de Valorização da Diversidade do Setor Bancário". O objetivo desse levantamento foi o de verificar a situação de cada bancário em relação à cor, raça, sexo, gênero, idade e cargo (admissão, ascensão e remuneração).

Os números do Mapa da Diversidade revelam que as mulheres ganham 78% dos salários dos homens, encontrando ainda mais obstáculos para a ascensão profissional. Do universo de trabalhadores no setor bancário, apenas 19,5% são negros ou pardos, ganhando em média 84,1% do salário dos brancos. As mulheres negras são vítimas de maior discriminação, pois apenas 8% delas conseguem emprego nos bancos.

A adesão dos bancos ao Mapa da Diversidade foi voluntária. As instituições financeiras que aderiram foram os seguintes: ABN Real, Banco do Brasil, Banco Industrial e Comercial, Bradesco, Banco do Nordeste (BNB), Banestes, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Fibra, Mercantil, Nossa Caixa, Safra, Santander e Votorantim.

Esse levantamento foi acompanhado de perto por um Grupo de Trabalho, denominado "Pacto da Diversidade". Com base no resultado da pesquisa do Mapa da Diversidade, metas e prazos deverão ser estipulados para eliminar as desigualdades nos bancos.

"A apresentação do Mapa de Diversidade comprova a grande discriminação que existe nas agências e departamentos dos bancos. Sem dúvida, os banqueiros não respeitam as diversidades e valorizam um padrão único de comportamento e étnico. O movimento sindical há muito tempo pauta e denuncia a existência desta discriminação de gênero e raça. Precisamos criar mecanismos, inclusive através de cláusulas específicas na CCT, para corrigir estas distorções", enfatiza a diretora da Federação dos Bancários RS, Denise Corrêa .

Fonte: FEEB/RS

Veja outras notícias

Advogada alerta para regras de transição

Após a Reforma da Previdenciária de 2019, que à época retirou direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros(as, quem já estava no mercado de trabalho e perto de se aposentar pode utilizar uma das quatro Regras de Transição para se aposentar, como explica...

Funcef ataca democracia ao descumprir edital de eleição

Decisão temerária e sem transparência para reabrir inscrições de candidatos macula o processo A Fundação dos Economiários Federais (Funcef), que administra os fundos de previdência das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal, sem apresentar qualquer...

COE Santander conquista avanços para os Gerentes Empresas

Processo de negociação sobre Multicanalidade Santander ainda vai continuar para beneficiar todos os trabalhadores da rede de agências A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander saiu da reunião com a direção do banco, nesta quinta-feira (22), com...