Notícias

NÃO BASTA TROCAR SÓ O PRESIDENTE DO BB, É PRECISO MUDAR A ESTRATÉGIA DO BANCO

Depois de resistir durante meses em seguir as diretrizes do governo para baixar o spread e os juros do Banco do Brasil, e assim estimular pela concorrência a redução do custo do dinheiro em todo o sistema financeiro, o presidente do BB, Antonio Francisco de Lima Neto, foi demitido na quarta-feira, dia 18. O novo presidente é Aldemir Bendine, vice-presidente de Cartões e Novos Negócios de Varejo.

Na edição de março último, a revista O Espelho Nacional, publicada pela Contraf-CUT, já havia denunciado a relutância da direção do Banco do Brasil em cumprir as diretrizes do governo. A matéria Neoliberais do BB desobedecem governo e resistem em baixar spread não deixa dúvidas.

Sem se referir diretamente à demissão de Lima Neto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou à imprensa a "minha obsessão" em baixar o spread e os juros, para que o crédito chegue ao setor produtivo e às pessoas físicas e o Brasil possa enfrentar a crise econômica.

"Lógica de banco público não pode ser de banco privado"

Já a ministra Dilma Roussef, da Casa Civil, disse aos dirigentes das centrais sindicais que se reuniram nesta terça-feira com ela e com o presidente Lula que os bancos públicos não podem atuar com a mesma lógica das instituições privadas. "A lógica do banco público não deve ser a do banco privado", afirmou a ministra aos sindicalistas, segundo o jornal O Estado de São Paulo.

Na opinião da ministra, os bancos públicos perdem a razão de existir se partem para lucros reais de 20% a 30%.

Bancários exigem mudanças

O funcionário do BB e diretor de Formação do SindBancários, Ronaldo Zeni, espera que, a partir da mudança, o BB retome o seu perfil de banco publico com o regaste da dignidade dos funcionários e a melhoria do ambiente de trabalho.

"O BB não é um banco de mercado pura e simplesmente com vinha sendo conduzido na gestão de Lima Neto. Somos uma instituição pública e, como tal, precisa assumir seu papel de fomentador do desenvolvimento nacional. É urgente a necessidade de redução das tarifas e taxas de juros, a fim de regular o mercado", avalia Ronaldo.

Para a Contraf-CUT, a queda das ações do BB na Bovespa após a demissão de Lima Neto é uma prova de que o banco vem atuando em descompasso com o seu papel de instituição pública. "O mercado reagiu mal porque o BB nas últimas gestões vem atendendo à necessidade do mercado, e não à do desenvolvimento econômico", afirma Marcel Barros, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, órgão da Contraf.

A Contraf-CUT também avalia que não basta a troca de presidente do Banco do Brasil para baixar os juros e o spread. "Para que a fala da ministra tenha relação com a realidade, é preciso que o Conselho de Administração do BB mude o seu direcionamento estratégico, que hoje é o de buscar o lucro de banco privado", critica Marcel.

Fonte: Contraf/CUT

Veja outras notícias

COE Bradesco debate reestruturação no banco

Movimento sindical está preocupado com os rumos da instituição financeira A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu, na tarde de terça-feira (20), na sede da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), em São...