Notícias

PESQUISA APONTA CRESCIMENTO DO DESEMPREGO

O crescimento do desemprego, em janeiro, foi verificado em todas as regiões do país pesquisadas, exceto Salvador

A taxa de desemprego no conjunto de regiões onde o DIEESE e a Fundação Seade realizam, com apoio do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a Pesquisa de Emprego e Desemprego atingiu, em janeiro de 2009, 13,1%, contra 12,7%, em dezembro. O crescimento de 3,1% na taxa de desemprego foi o maior apurado para o período desde 1998, ainda que seja normal um aumento no desemprego nesta época do ano. Apesar da elevação, trata-se da menor taxa apurada pelo Sistema PED para o Distrito Federal e as cinco regiões metropolitanas (Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo) envolvidas na pesquisa. Em janeiro de 2008 a taxa de desemprego correspondia a 14,2%.

O período foi marcado ainda pela inclusão de 75 mil novas pessoas ao total de desempregados, que assim somou 2.620 mil pessoas. O nível de ocupação teve redução de 1,3%, e o total de ocupados foi estimado em 17.336 mil pessoas, 221 mil a menos que em dezembro, mas 440 mil a mais que em janeiro do ano passado. O crescimento do desemprego só não foi maior pois 145 mil pessoas deixaram a população economicamente ativa em janeiro, num comportamento usual para o período. A PEA fixou-se em 19.957 mil pessoas.

O crescimento do desemprego, em janeiro, foi verificado em todas as regiões pesquisadas, exceto Salvador, onde a taxa de desemprego teve queda de 2,0%, ficando em 19,4%. Os maiores crescimentos ocorreram em São Paulo (5,8%) e Belo Horizonte (4,8%). Esta região, por sua vez registrou a maior queda no desemprego, quando se considera o período de 12 meses (-20,0%). Também foi expressiva a redução verificada em Porto Alegre (-10,7%).

O fechamento de postos de trabalho ocorreu em todos os setores, em janeiro. O maior volume de eliminação de vagas, em termos absolutos, deu-se no setor Serviços (-90 mil), seguido pela Indústria (-79 mil). Este último setor registrou forte queda em termos relativos (-2,9%), patamar muito próximo ao apurado para a Construção Civil (-3,0%). Somente o Comércio apresentou relativa estabilidade (-0,2%). Em 12 meses o desempenho dos setores mais importantes do mercado de trabalho foi positivo, com destaque para a Construção Civil (3,8%).

Em dezembro, o rendimento médio real dos ocupados aumentou 1,1%, passando a valer R$ 1.182. Para o salário médio real o acréscimo foi de 0,6%, com seu valor correspondendo a R$ 1.246. Em relação a dezembro de 2007, o rendimento médio cresceu 2,9%.

*Dieese

 

Veja outras notícias

Advogada alerta para regras de transição

Após a Reforma da Previdenciária de 2019, que à época retirou direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros(as, quem já estava no mercado de trabalho e perto de se aposentar pode utilizar uma das quatro Regras de Transição para se aposentar, como explica...

Funcef ataca democracia ao descumprir edital de eleição

Decisão temerária e sem transparência para reabrir inscrições de candidatos macula o processo A Fundação dos Economiários Federais (Funcef), que administra os fundos de previdência das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal, sem apresentar qualquer...

COE Santander conquista avanços para os Gerentes Empresas

Processo de negociação sobre Multicanalidade Santander ainda vai continuar para beneficiar todos os trabalhadores da rede de agências A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander saiu da reunião com a direção do banco, nesta quinta-feira (22), com...