Notícias

SEGUNDO TRIMESTRE DEVE SER BEM PIOR PARA O PIB, DIZ PRESIDENTE DO BC

Roberto Campos Neto espera que a recuperação do índice aconteça a partir do terceiro trimestre deste ano

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta segunda-feira que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve ser "bem pior" no segundo trimestre de 2020, em função da pandemia do novo coronavírus. Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o PIB recuou 1,5% no primeiro trimestre, ante os três meses anteriores. O porcentual refletiu apenas os primeiros efeitos da pandemia sobre a atividade.

"O PIB do primeiro trimestre só teve um pouco do efeito (da pandemia) em março", afirmou Campos Neto. Ele pontuou, no entanto, que o setor agrícola segue com resultados positivos, inclusive no primeiro trimestre. "O segundo trimestre deve ser bem pior para o PIB. Esperamos recuperação do PIB a partir do terceiro trimestre."

Ao avaliar os dados de atividade, Campos Neto também afirmou que houve uma piora crescente da expectativa entre agentes econômicos sobre o PIB. De fato, no Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda, a projeção mediana para o PIB já indica queda de 6,25% em 2020.

Sobre o mercado de trabalho, ele afirmou que a queda do emprego registrada no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foi "sem precedentes". Apenas em abril, foram fechadas no Brasil 860.503 vagas de trabalho com carteira assinada.

Juros

O presidente do Banco Central reafirmou que não é possível manter uma taxa de juros estruturalmente baixa no Brasil "se o fiscal não estiver arrumado". Atualmente, a Selic (a taxa básica de juros) está em 3,00% ao ano, no menor nível da história.

Campos Neto afirmou ainda que a dívida bruta é um conceito contábil "um pouco distorcido" no Brasil. "É como uma empresa olhar o passivo, mas não olhar todos os ativos. As reservas não entram na conta", afirmou. A dívida bruta brasileira atingiu 79,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em abril, conforme os dados do próprio BC. Já a dívida líquida – que leva em conta as reservas internacionais – atingiu 52,7% do PIB no fim de abril.

Campos Neto descartou ainda a venda de reservas internacionais para o abatimento da dívida bruta ou para o investimento na infraestrutura. Segundo ele, isso é um "tema contábil" e não faria sentido. "Alguns países acumulam reservas porque têm superávit. O Brasil se endividou para comprar um ativo, que são as reservas", explicou Campos Neto. Segundo ele, com a venda de reservas, ainda sobraria a dívida.

As declarações de Campos Neto foram feitas em audiência pública virtual da comissão mista do Congresso voltada para o acompanhamento das medidas econômicas do governo durante a pandemia do novo coronavírus.

 

FONTE: CORREIO DO POVO

 

Veja outras notícias

Assembleia aprova projeto que congela investimentos no RS por 10 anos

PLC era uma das últimas exigências para adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou nesta terça-feira (17), por 32 votos a 13, o PLC 48/2022, que altera a lei estadual do teto de gastos para limitar o...

COE e Bradesco negociam retorno ao trabalho presencial

Funcionários devem voltar até o dia 6 de junho; ACT de Teletrabalho passa a valer a partir de segunda-feira (23) A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu com a direção do banco nesta terça-feira (17) para debater o retorno ao trabalho...

%d blogueiros gostam disto: