Notícias

96% DOS ACORDOS SALARIAIS IGUALAM OU SUPERAM INPC

A crise financeira internacional praticamente não teve impacto nas negociações salariais entre sindicatos trabalhistas e patronais, de acordo com avaliação técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Com base na análise de 100 acordos coletivos fechados nos cinco primeiros meses do ano, a instituição observou que 96% das negociações conseguiram reajustes iguais ou acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado em 12 meses. De janeiro a maio de 2008, época anterior ao agravamento da crise, o índice de recomposição salarial foi de 89%.

O estudo apontou recuo em negociações que tiveram reajustes inferiores à inflação do período, passando de 11% em 2008 para 4% em 2009. Entre os reajustes acima das perdas geradas pelo aumento dos preços, houve pouca oscilação no período: de 77% em 2008 para 78% em 2009. Os acordos que apenas zeraram o INPC passaram de 12% em 2008 para 18% em 2009. Os técnicos do Dieese dizem que a maior parte dos acordos, fechados tanto abaixo como a acima da inflação registrada no período, aproximou-se do INPC registrado na época.

Na análise de reajustes concedidos a diferentes setores da economia, o resultado foi heterogêneo. Na indústria, por exemplo, o porcentual de ganho salarial acima da inflação sofreu ligeira redução, variando de 86% para 83% nos mesmos períodos de análise. O segmento de prestação de serviços reduziu de 14% para 4% o porcentual de categorias que tiveram perda salarial com o aumento da inflação e registrou aumento de 71% para 78% nas faixas que conquistaram aumento do poder de compra no período.

Os analistas do Dieese apontam como fatores responsáveis pela melhora nos reajustes de salários a queda da inflação no início do ano e o aumento das pressões sindicais. Contudo, eles ressaltam que a análise é somente dos reajustes conquistados no período, sem levar em conta os reflexos da crise no nível de emprego, que teve profunda queda nos setores exportadores e naqueles que dependem de crédito interno e externo.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Veja outras notícias

Advogada alerta para regras de transição

Após a Reforma da Previdenciária de 2019, que à época retirou direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros(as, quem já estava no mercado de trabalho e perto de se aposentar pode utilizar uma das quatro Regras de Transição para se aposentar, como explica...

Funcef ataca democracia ao descumprir edital de eleição

Decisão temerária e sem transparência para reabrir inscrições de candidatos macula o processo A Fundação dos Economiários Federais (Funcef), que administra os fundos de previdência das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal, sem apresentar qualquer...

COE Santander conquista avanços para os Gerentes Empresas

Processo de negociação sobre Multicanalidade Santander ainda vai continuar para beneficiar todos os trabalhadores da rede de agências A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander saiu da reunião com a direção do banco, nesta quinta-feira (22), com...