Notícias

BB E CAIXA VÃO EMPRESTAR MAIS A PESSOAS FÍSICAS

Apesar da falta de liquidez no mercado financeiro e da possibilidade de aumento da inadimplência, os bancos públicos pretendem elevar a oferta de crédito para as pessoas físicas neste ano.

Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal apostarão, principalmente, no crédito consignado- com desconto da mensalidade em folha de pagamento-, considerado mais seguro.

Mesmo diante da crise, o Banco do Brasil aposta que a carteira de crédito para as pessoas físicas, de R$ 38 bilhões, vai crescer 20% neste ano.

A Caixa Econômica Federal está ainda mais otimista e prevê aumento de 43,26% na carteira de crédito deste ano, que será de R$ 13,5 bilhões.

O vice-presidente de Finanças do Banco do Brasil, Aldo Mendes, argumenta que 9 milhões de pessoas poderiam ter crédito consignado atualmente, mas apenas 3,5 milhões contraíram dívidas com desconto em folha. É por isso que os bancos investem nesse nicho para crescer.

Risco é o desemprego

"O desemprego é o único risco que existe hoje, mas no crédito consignado isso é amenizado", argumenta Mendes.

Márcio Ferreira Neto, superintendente nacional da Caixa, diz que o banco também não está preocupado com o aumento do desemprego porque a maioria das suas operações é de crédito consignado de funcionários públicos, que contam com estabilidade no emprego.

A Caixa emprestou, em 2008, R$ 7,2 bilhões nessa modalidade de crédito.
"O consignado para empregados de empresas privadas ainda é muito pequeno. Tem espaço para crescer", disse.

Os executivos da Caixa afirmam que o banco não corre risco porque tem poucos contratos de financiamento de automóveis, o crédito de maior risco atualmente.

Apesar do elevado volume de consignados, considerados mais seguros, todos os clientes da Caixa hoje têm crédito pessoal pré-aprovado, cheque especial e cartão de crédito à disposição.

O executivo do Banco do Brasil também afirma estar longe de correr riscos porque o banco "é grande, tem uma larga base de capital". A carteira de crédito do banco para automóveis cresceu 200% em 2008. Mendes argumenta, porém, que o financiamento de carros ainda é pequeno -soma R$ 7 bilhões, menos de 10% do mercado.

O Banco do Brasil acredita que os problemas de liquidez nos bancos pequenos trarão uma oportunidade para o banco público crescer no financiamento a veículos.
"Queremos expandir com foco em carros novos. Não trabalhamos muito com carros usados [de maior risco]", diz Mendes.

Fonte: Folha de São Paulo

Veja outras notícias

Trabalhadores entregam reivindicações aos bancos

Encontro marca início da Campanha Nacional de 2024 para a renovação da Convenção Coletiva da categoria; Trabalhadores do BB e da Caixa também entregaram minutas específicas de renovação de acordos coletivos   O Comando Nacional dos Bancários, que representa as...

Bancários iniciam campanha de negociação salarial

Atos em todo o país mostram que 'perrengues' da categoria unificam luta por aumento real e direitos; em São Paulo, também houve manifestação contra juros altos Com o lema #ASuaLutaNosConecta, sindicatos de bancárias e bancários de todo o país foram às ruas, nesta...