Notícias

Comissão divulga edital e regulamento para as eleições de 2022 na Funcef

Votação para diretores e conselheiros poderá ser realizada em até dois turnos. Direito ao voto foi uma das conquistas mais importantes dos participantes e mira na gestão compartilhada das instâncias de decisão da Fundação

A Comissão Eleitoral da Fundação dos Economiários Federais (Funcef) divulgou, nesta quarta-feira (12), data do aniversário de 161 anos da Caixa Econômica Federal, o edital e o regulamento do processo eleitoral 2022 da Funcef. O calendário das eleições teve início em 10 de janeiro, com a instalação da Comissão Eleitoral, composta por indicados pelos representantes eleitos e pela Caixa/Funcef. Caberá ao colegiado receber, impugnar, homologar e divulgar as inscrições dos candidatos.

Serão preenchidas as vagas para os mandatos de dois membros da Diretoria Executiva, pasta de Benefícios (quatro anos) e pasta de Administração e Controladoria (dois anos). No Conselho Deliberativo, que conta também com representantes eleitos, as vagas preenchidas correspondem a dois mandatos, com duas de titulares e seus respectivos suplentes, com mandatos de quatro anos. No Conselho Fiscal, cujo mandato também será de quatro anos, a escolha será por uma vaga de titular e outra para a suplência. Na Diretoria, não há suplência.

Como as inscrições serão feitas por e-mail, com mensagem para [email protected], com explicitação da vaga correspondente, os candidatos poderão ser registrados do dia 17 de janeiro, a partir das 10h, até o dia 31, às 18h.

A votação em primeiro turno ocorre entre 18 e 21 de março. Poderá haver segundo turno, no período entre 1º e 4 de abril, apenas no caso de nenhum dos candidatos alcançar, em primeiro turno, a votação mínima de 50% dos votos válidos.

Os candidatos devem ser participantes e assistidos que cumpram as exigências do Estatuto de Fundação e o regulamento das eleições. Estão aptos a votar os participantes ativos e assistidos maiores de 18 anos, com benefício vitalício, que tenham se inscrito até o dia 31 de janeiro de 2022 em planos de benefícios administrados pela Funcef.

Votação

Os participantes e assistidos deverão ficar atentos, pois a votação será por meio do Autoatendimento no Portal da Funcef (www.funcef.com.br) ou pelo aplicativo da Fundação, disponível nas versões Android e IOS.

Os candidatos eleitos serão empossados nos cargos no dia 31 de maio de 2022.

Representatividade

O presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Sergio Takemoto, chama a atenção para a importância das eleições e da garantia do direito do voto para a democratização da gestão do fundo de pensão dos trabalhadores do banco social, o único 100% público do país. Ele defende que o processo eleitoral deste ano siga os princípios democráticos, pois poder eleger os representantes dos participantes e assistidos na Diretoria Executiva e nos Conselhos Deliberativo e Fiscal da Funcef foi uma conquista que demandou mais de 20 anos de luta, resultado da mobilização das entidades representativas de todo o país. “Precisamos dar muito valor a cada etapa do processo democrático e assegurar que tudo se desenvolva da forma mais transparente, legítima, ampla, inclusiva e participativa possível”, reitera.

Sergio Takemoto afirma que as eleições de 2022 devem privilegiar o debate sobre qual a Funcef que os participantes querem, independentemente de quais sejam as convicções e propostas. Segundo o presidente da Fenae, algumas regras comprometem a transparência do processo eleitoral, como a que prevê que “os candidatos não poderão figurar como parte em ações cujo objeto envolva rubricas contributivas não previstas nos normativos internos e regulamentos dos planos de benefícios da Funcef, além de outras que comportem o afastamento do custo extraordinário, assim como aquelas que decorram de alterações estatutárias e regulamentares”.

Tal exigência, para a Fenae, é arbitrária e não se sustenta, minimamente, na atual legislação. Para Jair Pedro Ferreira, diretor de Formação da Fenae, essa é uma restrição que visa dificultar a participação dos trabalhadores nas instâncias de decisão do nosso fundo de pensão. “Defender a Funcef é compreender as múltiplas realidades de seus participantes, não dando para esquecer que a Fundação somos nós e esse patrimônio é nosso”, argumenta. Ele recorda que não existe a Funcef sem a defesa da Caixa social, pública e forte, “uma mobilização que precisa ser reafirmada cada vez mais”.

Sergio Takemoto reafirma essa tese e completa que o que está em jogo é a Funcef e seus participantes. E conclui: “Somos contrários a propostas que visam alterar a representatividade dos trabalhadores, a exemplo da redução do quantitativo de conselheiros eleitos e o fim das eleições para a Diretoria Executiva. O momento é de união em defesa da Fundação. Reivindicamos soluções imediatas para o problema gerado pelo contencioso judicial, que é o maior fator de deficit e resulta do passivo trabalhista que a Caixa não paga e terceiriza para o conjunto dos participantes. Cobramos também ajustes na metodologia de revisão do Estatuto para assegurar a representatividade dos trabalhadores e dar maior transparência ao processo”.

FONTE: FENAE

Veja outras notícias

Assembleia aprova projeto que congela investimentos no RS por 10 anos

PLC era uma das últimas exigências para adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou nesta terça-feira (17), por 32 votos a 13, o PLC 48/2022, que altera a lei estadual do teto de gastos para limitar o...

COE e Bradesco negociam retorno ao trabalho presencial

Funcionários devem voltar até o dia 6 de junho; ACT de Teletrabalho passa a valer a partir de segunda-feira (23) A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu com a direção do banco nesta terça-feira (17) para debater o retorno ao trabalho...

%d blogueiros gostam disto: