Notícias

Conferência estadual debate Saúde e Trabalho bancário no RS

Debates giraram em torno do adoecimento no local de trabalho

A 1ª Conferência Intersetorial sobre Saúde e Trabalho bancário, realizada pelo Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região e pela Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Fetrafi) do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, nesta quinta-feira (13), reuniu cerca de 300 pessoas, entre bancários e bancárias da Capital e do Interior gaúcho, além de outros estados: Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Pará, Ceará, Alagoas e Bahia.

Na abertura do evento, foi lançado o documentário: “Além do limite – quando a meta é sobreviver”, dirigido pelo jornalista Marcelo Monteiro. O filme aborda a triste realidade enfrentada pela categoria bancária, com relatos de diversos casos de adoecimento psicológico, alguns culminando em suicídio. O vice-presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiros (Contraf-CUT), Vinícius Assumpção, participou do evento. “Este tema é o principal debate entre os trabalhadores da categoria atualmente e deve continuar assim nos próximos anos”, lamentou o vice-presidente da Contraf-CUT.

Para ele, houve evoluções nos bancos, mas ainda insuficientes para garantir efetivamente melhores condições de trabalho. O vice-presidente lembrou de dados alarmantes, como o de 78% dos trabalhadores fazendo uso de remédios controlados. “Antes, os problemas de saúde dos bancários e bancárias eram decorrentes de LER/Dort. Agora, são ansiedade e depressão. O índice de afastamento por doenças do trabalho, nas demais categorias, é de 15%, enquanto no meio bancário chega a 25%”, relatou.

O secretário de Saúde da Contraf-CUT, Mauro Salles, também participou do evento. Para ele, o grande número de bancários presentes, inclusive com a participação bastante representativa de colegas de todas as regiões do país do Coletivo Nacional de Saúde da Contraf-CUT, mostra a relevância do tema. “O evento deixou nítida a gravidade do alto número de adoecimento relacionado ao trabalho. Também debateu soluções para que essa situação não persista. Não é possível que trabalho seja sinônimo de medo, sofrimento e adoecimento”, afirmou.

“Temos uma Convenção Coletiva com muitas cláusulas de saúde conquistadas, mas a gente tem que lutar para que os bancos cumpram o que assinaram. E também cobrar ação das instituições responsáveis pela promoção de saúde e fiscalização dos ambientes de trabalho”, apontou Mauro Salles.

É hora de agir

Depois da exibição, foi promovido um bate-papo, com perguntas do público que foram respondidas pelo diretor do documentário; pela coordenadora do Grupo de Ação Solidária (GAS) do Departamento de Saúde do SindBancários, Jaceia Netz; pelo psicólogo do Departamento, André Guerra; pela bancária e integrante do GAS, Rosecler Carvalho, que auxiliou na produção do filme; e pela secretária de Saúde da Fetec-CUT Paraná, Vanderléia de Paula.

Monteiro explicou que a ideia do documentário surgiu após ele ter enfrentado a depressão, com grande impacto no âmbito profissional, além do fato de ter um tio bancário, o que o estimulou a abordar a situação de saúde mental no setor. “Espero que esse documentário seja aquele sinal; que sirva para as pessoas que eventualmente estejam passando por isso ou vendo algum colega passar por isso, que desperte nas pessoas o sentido de que é hora de agir”, ressaltou.

Guerra avaliou que o cenário encontrado no meio bancário reflete a sociedade como um todo, por ser uma questão estrutural, consequente do sistema capitalista, cuja ideologia gera adoecimento ao naturalizar a indignidade no ambiente de trabalho. “Esse processo é o mais difícil, de despatologizar os indivíduos e patologizar as organizações”, destacou. Conforme o psicólogo, é importante entender o contexto e os fatores geradores do adoecimento. Ele defende que a lógica de focar apenas em métodos de tratamento para doenças é insuficiente, que é necessário ampliar o debate para formas de prevenção. “O nosso problema não é o adoecimento mental da categoria, o problema que a gente enfrenta no mundo do trabalho hoje não é nem um problema de saúde, é um problema ético/político, de violação da dignidade das pessoas”, pontuou.

Jaceia destacou a dificuldade que a categoria enfrenta ao buscar auxílio junto à Previdência Social. “Quem atua com saúde do trabalhador sabe que o banco adoece e o INSS enterra. Ocorre uma desproteção por parte de quem deveria cuidar dos trabalhadores”, disse. Ela também reforçou a importância do trabalho realizado pelo GAS, que acolhe bancários e bancárias que sofrem situações como assédio no ambiente bancário.

FONTE: CONTRAF

Veja outras notícias

Cassi: diretores e conselheiros eleitos tomam posse

Com a oficialização da posse de grupo formado por funcionários da ativa e aposentados do BB, cerimônia reforça representação de associados e associadas na gestão da entidade Os novos eleitos da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) tomaram...