Notícias

FEEB/RS ENCAMINHA NOTIFICAÇÃO EXTRA-JUDICIAL AO SINDFIN

A Federação dos Bancários do RS encaminhou nesta segunda-feira, dia 12, uma notificação extra-judicial e de esclarecimento ao Sindicato das Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimentos do Estado do Rio Grande do Sul (Sindfin), para que comecem a diminuir as diferenças salariais da categoria com os demais estados. É um absurdo que a instituição se utilize da crise financeira mundial para não equiparar os salários dos financiários gaúchos com os outros trabalhadores. Condicionar a manutenção dos empregados aos baixos salários, sob o argumento de que os reajustes pedidos são estratosféricos é uma imensa falta de sensibilidade. Queremos justiça para os trabalhadores gaúchos.

Confira a nota enviada pela Federação ao Sindfin

AO REPRESENTANTE LEGAL DO SINDICATO DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL – NESTA CAPITAL

NOTIFICAÇÃO EXTRAJUDICIAL E DE ESCLARECIMENTO

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários do Estado do Rio Grande do Sul e seus Sindicatos filiados, por sua representação legalmente constituída, vêm à presença de Vossa Senhoria, para apresentar a presente NOTIFICAÇÃO EXTRA-JUDICIAL e DE ESCLARECIMENTO, com o objetivo precípuo de cientificá-lo dos compromissos obrigacionais das entidades sindicais constante do Título VI da Consolidação das Leis do Trabalho, relativamente a ausência de uma solução para a Convenção Coletiva de Trabalho já vencida desde agosto de 2.008.

Diferentemente do que diz a Nota de Esclarecimento do Sindicato Empresarial, as entidades sindicais dos trabalhadores não postulam "reajustes estratosféricos e surreais". Reivindicam, isto sim, que se faça justiça com os trabalhadores do RGS.

Fazer Justiça, para as entidades dos trabalhadores, significa começar a diminuir as diferenças salariais que existem entre os massacrados financiários do RS, em relação aos financiários de outros Estados, como por exemplo, os nordestinos do Ceará, os capixabas do Espírito Santo ou os sulistas do Paraná.

A pergunta que se faz há mais de 10 anos é: qual a justificativa para pagar muito menos aos financiários gaúchos?

A resposta do Sindicato Patronal tem sido sempre a mesma: ano que vem começamos a diminuir estas diferenças! Acontece que este "ano que vem" não chega nunca.

O que se pretende é apenas um sinal e um plano para o começo da diminuição das diferenças, reiterando que os representantes das entidades sindicais dos empregados seguem abertos à negociação.

Lembremos alguns exemplos da discriminação com os empregados financiários do RGS, comparando com os empregados dos Estados acima referidos:

1. Lá o piso de portaria é R$ 686,68; piso de escriturário é R$ 991,54 e o piso de caixa é R$ 1.047,12. Aqui no RGS o piso dos financiários, para portaria é R$ 468,28 e para os demais R$ 573,00.

2. No resto do país a gratificação de caixa é R$ 272,45, enquanto aqui no RGS com a proposta patronal iria para R$ 62,80.

3. Lá a cesta-alimentação [além do tíquete-refeição de R$ 16,41] é no valor de R$ 258,73 mensais, durante 13 meses do ano. Aqui no RGS só tem tíquete-refeição e não existe cesta-alimentação.

4. Lá tem Assistência Médica Hospitalar para todos os empregados e sem nenhuma coparticipação, enquanto aqui só é exigível para as empresas com mais de 50 empregados e mesmo assim os empregados pagam 20% do plano.

5. Lá as empresas financeiras são obrigadas a repassar aos seus empregados, a título de PLR, valor equivalente a 80% do salário, acrescido de um valor fixo de R$ 1.149,54. Aqui no RGS, a PLR anual se limita a 30% do salário do empregado.

Estes são alguns exemplos da discriminação que hoje se verifica em relação aos empregados financiários do RGS.

O caminho para se sair do atual impasse nas negociações, na visão das entidades dos empregados financiários, depende apenas de uma sinalização concreta do Sindicato das Financeiras para a diminuição destas diferenças, além de um cronograma real e factível de redução delas nos anos seguintes.

É o que se espera!!!

Atenciosamente.

Porto Alegre 12 de janeiro de 2.009

Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários do Estado do Rio Grande do Sul e demais Sindicatos do Estado.

*Imprensa Feeb/RS

Veja outras notícias

COE Bradesco debate reestruturação no banco

Movimento sindical está preocupado com os rumos da instituição financeira A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu, na tarde de terça-feira (20), na sede da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), em São...