Notícias

Inflação avança 0,87% em agosto, maior alta para o mês em 21 anos

Apesar da desaceleração em relação a julho, índice de preços se aproxima dos 10% no acumulado dos últimos 12 meses, diz IBGE

A inflação oficial de preços no Brasil saltou 0,87% no mês de agosto. A alta é a maior para o mês desde 2000, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (9), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) representa uma desaceleração em relação à variação de 0,96% nos preços no mês de julho.

Com a nova variação positiva, o índice oficial de preços agora acumula uma alta de 9,68% nos 12 meses encerrados em agosto, patamar mais de 4 pontos percentuais superior ao teto da meta estabelecida pelo governo para o IPCA deste ano, de 5,25%. Nos oito primeiros meses do ano, a variação do índice é de 5,67%.

A inflação do mês foi novamente influenciada pelo preço dos combustíveis, com destaque para o etanol (+4,5%), gasolina (+2,8%), gás veicular (2,06%) e óleo diesel (1,79%). Os avanços fizeram dos transportes o grupo com a maior alta de preços do período, de 1,46%.

André Filipe Guedes Almeida, analista responsável pela pesquisa, explica que o preço da gasolina segue influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras.

“O dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final”, ressalta ele. No ano, a gasolina acumula alta de 31,09%, o etanol de 40,75% e o diesel de 28,02%.

Ainda no campo dos transportes, o preço dos veículos usados (+1,98%), novos (+1,79%) e as motocicletas (+1,01%) permaneceram em elevação. Nos transportes públicos (-1,21%), as passagens aéreas caíram 10,69%. Já os preços do transporte por aplicativo subiram 3,06%.

As contas de luz, por sua vez, subiram em ritmo menor e registraram alta de 1,10% no mês passado. Almeida atribui o resultado aos reajustes tarifários em Vitória, Belém e em uma das concessionárias em São Paulo, além da manutenção da bandeira vermelha patamar 2, que adiciona R$ 9,492 a cada 100 kWh consumidos.

O segundo maior impacto do mês no bolso dos consumidores partiu do avanço de 1,39% no preço dos alimentos e bebidas, que, deferentemente do índice geral, acelerou em relação ao avanço de 0,6% registrado no mês de julho.

A variação positiva ocorre com a alta de 1,63% no custo da alimentação ´dentro de casa, motivada pelo salto nos preços da batata-inglesa (+19,91%), do café moído (+7,51%), do frango em pedaços (+4,47%), das frutas (3,90%) e das carnes (+0,63%). Por outro lado, a cebola (-3,71%) e o arroz (-2,09%) ficaram mais baratos.

Já na alimentação fora do domicílio (+0,76%), os destaques ficaram por conta do lanche (+1,33%) e da refeição (+0,57%), cujos preços haviam subido, respectivamente, 0,16% e 0,04% em julho.

FONTE: CORREIO DO POVO

Veja outras notícias

Advogada alerta para regras de transição

Após a Reforma da Previdenciária de 2019, que à época retirou direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros(as, quem já estava no mercado de trabalho e perto de se aposentar pode utilizar uma das quatro Regras de Transição para se aposentar, como explica...

Funcef ataca democracia ao descumprir edital de eleição

Decisão temerária e sem transparência para reabrir inscrições de candidatos macula o processo A Fundação dos Economiários Federais (Funcef), que administra os fundos de previdência das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal, sem apresentar qualquer...

COE Santander conquista avanços para os Gerentes Empresas

Processo de negociação sobre Multicanalidade Santander ainda vai continuar para beneficiar todos os trabalhadores da rede de agências A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander saiu da reunião com a direção do banco, nesta quinta-feira (22), com...