Notícias

Inflação avança 0,87% em agosto, maior alta para o mês em 21 anos

Apesar da desaceleração em relação a julho, índice de preços se aproxima dos 10% no acumulado dos últimos 12 meses, diz IBGE

A inflação oficial de preços no Brasil saltou 0,87% no mês de agosto. A alta é a maior para o mês desde 2000, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (9), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) representa uma desaceleração em relação à variação de 0,96% nos preços no mês de julho.

Com a nova variação positiva, o índice oficial de preços agora acumula uma alta de 9,68% nos 12 meses encerrados em agosto, patamar mais de 4 pontos percentuais superior ao teto da meta estabelecida pelo governo para o IPCA deste ano, de 5,25%. Nos oito primeiros meses do ano, a variação do índice é de 5,67%.

A inflação do mês foi novamente influenciada pelo preço dos combustíveis, com destaque para o etanol (+4,5%), gasolina (+2,8%), gás veicular (2,06%) e óleo diesel (1,79%). Os avanços fizeram dos transportes o grupo com a maior alta de preços do período, de 1,46%.

André Filipe Guedes Almeida, analista responsável pela pesquisa, explica que o preço da gasolina segue influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras.

“O dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final”, ressalta ele. No ano, a gasolina acumula alta de 31,09%, o etanol de 40,75% e o diesel de 28,02%.

Ainda no campo dos transportes, o preço dos veículos usados (+1,98%), novos (+1,79%) e as motocicletas (+1,01%) permaneceram em elevação. Nos transportes públicos (-1,21%), as passagens aéreas caíram 10,69%. Já os preços do transporte por aplicativo subiram 3,06%.

As contas de luz, por sua vez, subiram em ritmo menor e registraram alta de 1,10% no mês passado. Almeida atribui o resultado aos reajustes tarifários em Vitória, Belém e em uma das concessionárias em São Paulo, além da manutenção da bandeira vermelha patamar 2, que adiciona R$ 9,492 a cada 100 kWh consumidos.

O segundo maior impacto do mês no bolso dos consumidores partiu do avanço de 1,39% no preço dos alimentos e bebidas, que, deferentemente do índice geral, acelerou em relação ao avanço de 0,6% registrado no mês de julho.

A variação positiva ocorre com a alta de 1,63% no custo da alimentação ´dentro de casa, motivada pelo salto nos preços da batata-inglesa (+19,91%), do café moído (+7,51%), do frango em pedaços (+4,47%), das frutas (3,90%) e das carnes (+0,63%). Por outro lado, a cebola (-3,71%) e o arroz (-2,09%) ficaram mais baratos.

Já na alimentação fora do domicílio (+0,76%), os destaques ficaram por conta do lanche (+1,33%) e da refeição (+0,57%), cujos preços haviam subido, respectivamente, 0,16% e 0,04% em julho.

FONTE: CORREIO DO POVO

Veja outras notícias

Pioneirismo do Santander prejudica funcionários

Mais uma vez o Santander saiu na frente na implantação de mudanças que trazem prejuízos aos trabalhadores do sistema financeiro Desde o dia 4 de setembro, o banco Santander voltou a abrir suas agências das 9h às 10h para atendimento prioritário e das 10h às 16h para o...

Entenda porque votar sim na proposta do Saúde Caixa

Bate-papo ao vivo apresentará a proposta que estará em pauta nas assembleias de quinta e sexta-feira; Contraf-CUT, Fenae, Comando Nacional dos Bancários, sindicatos e federações de suas bases indicam voto sim na proposta construída pelo GT formado pela Caixa com as...

%d blogueiros gostam disto: