Notícias

LULA AFIRMA QUE PAÍS SUPERA A CRISE

Em conferência, cúpula do governo e grandes empresários brasileiros mostraram aos investidores externos que o Brasil está bem preparado para atravessar a crise e que, por isso, sairá dela mais cedo que outros países

A cúpula do governo e grandes empresários brasileiros estiveram ontem em Nova York para mostrar aos investidores externos como o Brasil está mais bem preparado do que nunca para atravessar a crise internacional e que, por isso, sairá dela mais cedo que outros países. Eles encontraram uma audiência receptiva. Mas isso não significa que o capital externo voltará imediatamente a fluir como antes.

Embora a principal mensagem – a de que o sistema financeiro é sólido e o governo ainda tem instrumentos para contrabalançar os efeitos da crise – tenha repercutido positivamente, o cenário econômico internacional continua a nublar as perspectivas para o país. "Hoje, é impossível prever o que vai acontecer", disse William Landers, gestor da administradora de recursos BlackRock, que tem um fundo de US$ 3 bilhões voltado para a América Latina. "Mas o que sabemos é que as empresas (brasileiras) estão baratas".

As incertezas ficaram evidentes pouco antes da conferência "Brazil: Global Partner in a New Economy", organizada pelo "The Wall Street Journal" e pelo Valor. O banco americano Morgan Stanley anunciou redução significativa em suas previsões para o crescimento da economia brasileira neste ano, enquanto o Banc of America Securities Merrill Lynch também reviu, para baixo, suas projeções.

As autoridades brasileiras reconheceram as dificuldades. Lula e sua cúpula econômica – estavam presentes a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles – ressaltaram a necessidade de que os países ricos, os EUA à frente, resolvam seus problemas bancários para restaurar liquidez à economia mundial. O fato de elas terem passado o dia todo com os investidores – Lula participou de todas as sete horas do evento – é um indicativo de como veem a necessidade de divulgar o Brasil à comunidade financeira.

"Nas outras crises, o Brasil quebrou em poucos dias e foi obrigado a ir ao FMI", disse Lula. "Desta vez, não quebrou e não vai quebrar". A tônica foi a de que, pela primeira vez, o país tem condições de adotar medidas anticíclicas para enfrentar o cenário adverso. Nas crises anteriores, a fuga de capitais obrigou a medidas que acentuaram as dificuldades.

Fonte: Valor Online

Veja outras notícias

Bancários vão começar a mobilização para a Campanha Nacional

Organização e agitação pelas entidades e participação da categoria são fundamentais A data-base dos reajustes salariais, vales refeição e alimentação, valores da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e tantos outros direitos previstos na Convenção Coletiva de...

Eleições Cassi: Contraf-CUT apoia chapas 6 e 33

Entidade apoia fortalecimento da representação de associados dentro da caixa de assistência A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) declarou apoio às chapas 6 e 33 nas eleições na Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do...