Notícias

Mobilização dos empregados marca aniversário da Caixa

Banco completou 161 anos diante dos ataques feitos pelo governo Bolsonaro

Diante dos ataques feitos pelo governo Bolsonaro, o aniversário de 161 anos da Caixa Econômica Federal, completados nesta terça-feira (12), foi marcado por protestos e mobilizações em todo o país e nas redes sociais, em defesa do banco. No Dia Nacional de Luta, os empregados comemoraram a data vestindo vermelho, a fim de reforçar a importância do banco público para a população e para o país, além de enaltecer todo o trabalho social exercido durante a pandemia, com o pagamento de programas sociais.

“Foi dia de parabenizar os colegas que atuam para manter a Caixa como uma das maiores empresas públicas do país, fundamental para o desenvolvimento econômico e social brasileiro. A longevidade e a importância da Caixa para o povo brasileiro foram confirmadas pela atuação dos empregados e empregadas durante a maior crise sanitária, social e econômica das últimas décadas”, exaltou Fabiana Uehara Proscholdt, secretária da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Durante os atos, foi distribuída carta aberta à população denunciando os ataques à Caixa e aos empregados. As comemorações e protestos também tomaram as redes sociais, com as hashtags #Caixa161Anos #CaixaForteÉCaixaPública.

Live 161 anos da Caixa

“Caixa Social é Caixa pública”. Esse foi o tema da live em comemoração ao aniversário da Caixa. Promovida pela Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), o encontro foi transmitido pelo Youtube da Fenae.

No debate, as ameaças que o banco público sofre, os impactos que a privatização pode trazer aos setores mais importantes do país e os ataques da atual gestão da Caixa aos empregados, que têm sido essenciais para o país durante a pandemia.

Participaram do encontro o presidente da Fenae, Sergio Takemoto; o diretor de Formação, Jair Pedro Ferreira; e a deputada federal (PT/DF), Erika Kokay. O debate foi mediado pela coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) e secretária de Cultura da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), Fabiana Proscholdt.

“A Caixa já foi criada com a missão de proporcionar a realização dos sonhos das pessoas e, desde então, ela vem cumprindo seu papel social. Mas o governo quer fatiar as áreas mais lucrativas do banco público e entregar para o mercado privado. Por isso, defender a Caixa é tão importante”, disse Sergio Takemoto.

FONTE: CONTRAF

Veja outras notícias

Banco Central tem expectativa mais pessimista para o PIB de 2021

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga no início de março o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2021, na comparação com 2020, ano com os maiores reflexos da pandemia do novo coronavírus na economia. As estimativas, no...

%d blogueiros gostam disto: