Notícias

REAÇÕES À CRISE DEPENDEM DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS, APONTA ESTUDO DO IPEA

Estudo "Crise Internacional: reações na América Latina e canais de transmissão no Brasil" foi divulgado nesta manhã

Os efeitos da crise internacional, que causaram o "dezembro negro" em relação à taxa de crescimento do Brasil, devem ser interrompidos por ações governamentais já em curso, como a desoneração fiscal iniciada em 2006, e os recursos de crédito recentemente anunciados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A afirmação foi feita hoje pelo diretor Marcio Wohlers, da Diretoria de Estudos Setoriais (Diset) do Ipea, ao apresentar o 17º Comunicado da Presidência do Instituto "Crise Internacional: reações na América Latina e canais de transmissão no Brasil".

– Medidas monetárias tomadas isoladamente não levam ao arrefecimento da crise (…) Talvez o mais interessante seja, principalmente nos países mais periféricos, a elevação dos gastos sociais e das transferências de renda aos mais pobres – diz o estudo.

Segundo o estudo, a América Latina tem implementado políticas tradicionais, tanto na área monetária como na área fiscal, para combater a crise. Confira abaixo o detalhamento por país:

Argentina

· redução das exigibilidades em divisas estrangeiras em termos de contrapartidas para operações que induziram à utilização de reservas cambiais;
· recompra automática de títulos emitidos pelo Banco Central com vencimento em seis meses, desde novembro de 2008;
· triplicação dos créditos para os bancos locais;
· aumento de 30% na oferta de crédito para o setor privado;
· reestatização da previdência, elevando a garantia aos trabalhadores do país.

Uruguai

Adotou várias políticas de reação à crise, no entanto, o foco foi concentrado em ações monetárias, fiscais e setoriais. Por exemplo:

· recomprou de títulos de empresas ou bancos com opções de recebimento em morda local ou em dólares dos EUA;
· requisitou ajuda financeira ao BID e ao Banco Mundial para prover fundos ao Estado;
· elevou o crédito, com ênfase em exportação, para pequenas e médias empresas.

Paraguai

Tem atuado fortemente na área monetária. Sua política combina:

· redução de compulsórios para depósitos em moedas nacionais ou estrangeiras (desde o início de outubro);
· diminuição da taxa referencial de juros em 1% em outubro e 0,5% em novembro;
· criação de uma linha de liquidez para instituições financeiras com garantias de recompra.

Chile

· operações de recompra de títulos públicos com período de 60 a 90 dias;
· flexibilização nos requerimentos relativos às reservas;
· leilões públicos para prover liquidez em dólares para os bancos locais.

México

· corte da emissão da dívida pública de longo prazo e criação de uma linha de crédito com juros diferenciados para prover liquidez aos mercados;
· criação de linhas de financiamento de curto prazo para o sistema bancário;
· autorização temporária para que os bancos providenciem liquidez para os seus próprios fundos de investimento;
· recompra de títulos de médio e longo prazo;
· estabelecimento de uma linha de financiamento para a troca de títulos de longo prazo por outros de curto prazo.

Brasil

O conjunto de medidas continua concentrado nas questões monetária e de crédito

· redução das exigências quanto a depósitos compulsórios;
· agilização das operações de redesconto;
· autorização de compra do portfólio de pequenos e médios bancos para garantir crédito em moeda estrangeira.
· venda de dólares no mercado à vista;
· leilões de venda de moeda estrangeira com compromisso de recompra;
· criação de uma modalidade de empréstimos em moeda estrangeira, garantidos por títulos soberanos negociados no mercado internacional ou por operações de exportação, com o objetivo de financiar as exportações;
· redução do compulsório para bancos que adquirirem dólares com acordos de recompra.
· autorização para o Banco do Brasil e para a Caixa Econômica Federal adquirir instituições financeiras em dificuldade;
· anuncio de criação de um banco de investimento pela Caixa Econômica Federal para comprar ações de empresas imobiliárias, assim como de outros setores;
· capitalização do BNDES para elevar o crédito para as empresas.

*Ipea

 

Veja outras notícias

Advogada alerta para regras de transição

Após a Reforma da Previdenciária de 2019, que à época retirou direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros(as, quem já estava no mercado de trabalho e perto de se aposentar pode utilizar uma das quatro Regras de Transição para se aposentar, como explica...

Funcef ataca democracia ao descumprir edital de eleição

Decisão temerária e sem transparência para reabrir inscrições de candidatos macula o processo A Fundação dos Economiários Federais (Funcef), que administra os fundos de previdência das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal, sem apresentar qualquer...

COE Santander conquista avanços para os Gerentes Empresas

Processo de negociação sobre Multicanalidade Santander ainda vai continuar para beneficiar todos os trabalhadores da rede de agências A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander saiu da reunião com a direção do banco, nesta quinta-feira (22), com...