Notícias

UM ANO DA QUEDA DO LEHMAN BROTHERS E BANCOS NÃO APRENDERAM LIÇÕES DA CRISE

Os bancos não aprenderam as lições da crise econômica, afirmou nesta terça-feira o Instituto de Pesquisa em Políticas Públicas (IPPR, na sigla em inglês), uma think tank britânica. Segundo a organização, a rápida volta da "cultura do bônus" nos grandes bancos e instituições financeiras dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha mostra que a reforma do sistema foi "bastante limitada".

"Deveria haver um alarme tocando, pois essas instituições já estão dando sinais de uma atitude de volta aos velhos negócios e há poucas provas de que os governos estejam tomando medidas para assegurar que a próxima recuperação econômica seja mais equilibrada que a anterior", disse Tony Dolphin, economista-chefe do IPPR.

O IPPR alerta ainda que a atual crise do sistema bancário pode não ser a última se não forem tomadas medidas urgentes.

Obama e Brown

Os bônus dados a executivos de bancos foram apontados como responsáveis por incentivar operações de risco, em parte, por levar a atitudes que provocaram a crise financeira e a atual recessão.

Em encontro realizado em março passado, em Londres, líderes do G20 concordaram que os bônus deveriam ser oferecidos como prêmio a profissionais que apresentassem resultados de longo-prazo e não em operações de risco.

O comportamento do setor bancário também foi criticado pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e pelo primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, que falaram publicamente na segunda-feira para marcar um ano da queda do banco Lehman Brothers, considerada o estopim da crise.

Em um discurso em Nova York, Obama criticou a "complacência" do setor bancário.

"Infelizmente, existem alguns na indústria financeira que estão fazendo uma leitura equivocada do que está ocorrendo. Em vez de aprender com as lições do Lehman e da crise da qual estamos nos recuperando, eles estão optando por ignorá-la. Ao fazê-lo, eles não apenas correm riscos, mas colocam a nossa nação em risco", disse o presidente americano.

"Aqueles que estão em Wall Street não podem voltar a correr riscos sem se importar com as consequências e esperar que, da próxima vez, o contribuinte americano estará lá para impedir a queda deles", acrescentou.

Já Gordon Brown disse que ainda tem "negócios em aberto" com os bancos que serão resolvidos no encontro dos líderes do G20 marcado para a semana que vem em Pittsburgh, nos Estados Unidos.

Mas o Instituto Internacional de Finanças (IIF, na sigla em inglês), que reúne os maiores bancos do mundo, lembrou que as respostas de cada país à crise devem ser melhor coordenadas para que a crise seja contornada.

Em entrevista ao jornal britânico Financial Times, o diretor do IIF, Charles Dallara, pediu que os líderes mundiais usem o encontro do G20 para "resistir à fragmentação do sistema financeiro global", prometendo evitar iniciativas nacionais em favor de soluções globais.

Fonte: BBC Brasil

 

Veja outras notícias

Advogada alerta para regras de transição

Após a Reforma da Previdenciária de 2019, que à época retirou direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros(as, quem já estava no mercado de trabalho e perto de se aposentar pode utilizar uma das quatro Regras de Transição para se aposentar, como explica...

Funcef ataca democracia ao descumprir edital de eleição

Decisão temerária e sem transparência para reabrir inscrições de candidatos macula o processo A Fundação dos Economiários Federais (Funcef), que administra os fundos de previdência das empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal, sem apresentar qualquer...

COE Santander conquista avanços para os Gerentes Empresas

Processo de negociação sobre Multicanalidade Santander ainda vai continuar para beneficiar todos os trabalhadores da rede de agências A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander saiu da reunião com a direção do banco, nesta quinta-feira (22), com...